18FEV

Bauducco aumenta produção de colombas



Faltando cerca de dois meses para a Páscoa, a Bauducco, com fábrica em Extrema, no Sul de Minas Gerais, lança, em breve, a campanha para a data, que é a segunda mais importante para os negócios da empresa, perdendo apenas para o Natal – quando são vendidos os famosos panetones. Para este ano, estão previstos investimentos em novos produtos, campanhas de marketing e comunicação, ações com consumidores e aumento da produção.

As informações são da Grouper de Marketing Bauducco, Juliana Corá. Segundo ela, neste ano, o mix para a Páscoa vai contar com clássicos produtos como a colomba pascal, o Chocobiscuit, lançado para a data no exercício passado, além dos biscoitos tradicionais. Ao todo serão 15 produtos de Páscoa.

Embora não tenha revelado detalhes sobre o montante a ser investido em produção ou o volume a ser fabricado, Juliana Corá contou que a quantidade de colombas produzidas vai dobrar em relação ao ano anterior e que serão ofertadas novas opções em sabor, tamanho e formato. “Vamos ter colombas menores visando outros tipos de consumidores e permitindo uma maior experimentação do produto por parte de quem ainda não conhece”, disse.

Bauducco aumenta produção de colombas

Além disso, os investimentos em marketing e comunicação para a data, conforme a Grouper de Marketing, serão triplicados. “Serão diversas ações para a campanha que estamos chamando de ‘Movimento Páscoa Bauducco’, em todas as pontas da cadeia, indo dos fornecedores, passando pelos varejistas até os consumidores. A intenção é buscar visibilidade e ampliar a fatia do mercado”, justificou.

É que a estratégia da companhia é ampliar a representatividade dos produtos de Páscoa nos negócios. Hoje, no Brasil, em termos de produtos sazonais, os itens voltados para a data representam 9% do que é vendido no Natal. Para se ter uma ideia, em países como a Itália, onde as colombas já são mais disseminadas entre os consumidores, a relação chega a 30% dos produtos natalinos.

“Percebemos que existe um mercado a ser absorvido no Brasil e vamos trabalhar para ampliar essa participação”, ressaltou.

Em relação ao desempenho das vendas de Páscoa neste exercício, a marca está otimista. Em 2019, houve incremento de 9% na comercialização em relação ao ano anterior – representando o maior crescimento das últimas campanhas da Bauducco. Para 2020, a expectativa é apresentar um crescimento ainda maior.

Segundo Juliana Corá, o cenário está bastante favorável, tanto em relação à conjuntura econômica quanto à mudança do perfil do consumidor que, nos últimos três anos, tem voltado a consumir produtos de Páscoa, mas optando por uma diversidade maior, que não apenas os ovos de chocolate.

“O ovo vem perdendo a relevância e abrindo espaço para outros produtos. Por isso, estamos focando em uma estratégia mais forte com portfólio completo, diferenciado e diversificado para atender todos os tipos de consumidores. A colomba é nosso principal ícone para a data, mas desenvolvemos outras opções”, comentou.

Em relação ao desempenho do ano como um todo, a Bauducco apresentou faturamento de R$ 3 bilhões em 2019. O Natal do ano passado registrou o melhor desempenho desde 2012. E a perspectiva é de que a demanda continue aquecida e os números favoráveis em 2020. “Além da força da marca, a retomada da economia nacional também está colaborando para o desempenho. Neste ano não será diferente”, apostou.

A Bauducco concluiu recentemente a expansão do seu complexo industrial em Extrema. O investimento de R$ 195 milhões consolidou o parque industrial com infraestrutura para a companhia continuar expandindo o portfólio. As obras incluíram um terceiro prédio fabril, com um armazém vertical automatizado e quatro novas linhas de produtos (dentre elas, as linhas de pães – fermentação natural – e Chocobiscuit).

A área construída da fábrica chegou a 67 mil metros quadrados e a capacidade instalada supera 200 mil toneladas por ano de biscoitos e produtos forneados. O grupo conta também com um centro de distribuição de 40 mil metros quadrados de área na cidade.

Fonte: Diário do Comércio | Postado em: 18/02/2020