25OUT

ABIMAPI divulga tipos de massas mais consumidas no Brasil e no mercado externo e analisa perfil do consumidor



No próximo dia 25 de outubro é celebrado o Dia Mundial do Macarrão e, para marcar a data e a importância do alimento que está presente em 99,3% dos lares brasileiros, a ABIMAPI (Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados), em parceria com a consultoria Kantar WorldPanel, apresentam insights de novos hábitos de consumo com o enfoque para oportunidades para as massas alimentícias.

O levantamento aponta a preferência dos consumidores por alimentos práticos e maior quantidade de refeições realizadas em casa. Quando comparamos o 1º quadrimestre versus o 2º quadrimestre de 2020, o consumo de alimentos e bebidas dentro do lar cresceu 32%. O café da manhã lidera com aumento de 14%, seguido dos períodos do almoço (12%) e jantar (11%), momento em que as massas se destacam.

Entre os tipos mais procurados, as massas secas (tradicional, caseira, sêmola, integral, grano duro e com ovos) são as líderes de preferência do mercado, em seguida estão as instantâneas e na sequência as frescas (recheadas, que necessitam de refrigeração). Quando analisado o perfil do comprador, o consumidor de massas secas e frescas é mais velho que o de instantâneas: 50+ anos para secas e frescas e até 39 anos para instantâneas. A grande diferença entre o público dessas duas categorias é o poder aquisitivo: as secas são mais consumidas pelas classes D/E e as frescas, pelas A/B. As instantâneas também têm maior consumo nas classes D/E.

De acordo com a ABIMAPI, só no 1º quadrimestre deste ano, as massas alimentícias totalizaram um aumento de 9,5% em valor e 3,9% em volume, representando R$ 2,6 bilhões e 331 mil toneladas, com destaque para as instantâneas com um crescimento 12,2% nas vendas e 7,5% em volume (R$740 milhões e 45 mil toneladas), respectivamente.

Independente da classe social, os brasileiros seguem incrementando ocasiões de consumo In Home movidos por hábito, prazer e saudabilidade. As pessoas estão indo mais à cozinha, porém o tempo está sendo crucial e os consumidores acabam optando por menus mais simples, com pratos que levam até 20 minutos para o preparo. Dentro do conceito de menu rápido, entre as regiões do Brasil, sudeste se destaca no consumo de massas instantâneas, uma das preferências no Rio de Janeiro e em São Paulo o macarrão é a escolha da vez.

“Os brasileiros consomem cerca de 5 kg de macarrão por ano. Culturalmente, acreditamos que onde se gasta mais com macarrão é dentro do lar, talvez pela aceitação, pela praticidade em prepará-lo ou pela diversidade que o produto pode trazer, em formatos e combinações de molhos para acompanhar”, contextualiza Claudio Zanão, presidente-executivo da ABIMAPI.

Já nas exportações, a categoria de massas alimentícias obteve no 1º semestre de 2020 um crescimento de 243% em valor (USD 12 milhões) e de 395% em volume (14 mil toneladas), se comparado ao mesmo período de 2019. Entre os tipos de massas mais exportadas está a grano duro, gerando um volume de 11 mil toneladas. El Salvador, Uruguai, Chile e Venezuela se sobressaíram para a conquista desses resultados. Entre os fatores que levaram aos valores está o baixo custo do produto e, por conta do momento de isolamento, o alimento ter uma vida útil maior.

Sobre a ABIMAPI: Uma das maiores associações alimentícias do País, a ABIMAPI representa 104 empresas que detêm cerca de 80% do setor e geram mais de 100 mil empregos diretos. Só no Brasil, responde por um terço do consumo nacional de farinha de trigo. Como interlocutora junto ao governo, à mídia, a pesquisadores e às demais entidades, sua missão é fortalecer e consolidar as categorias de biscoito, macarrão, pão e bolo industrializados nos cenários nacional e internacional. www.abimapi.com.br
_____
Informações para a imprensa:
ABIMAPI
(11) 5188-6210
Mariana Ortiz
comunicacao@abimapi.com.br

Fonte: ABIMAPI | Postado em: 25/10/2020