24AGO

Marcas regionais detêm quase metade do mercado de massas



A negociação envolvendo a Santa Amália reforça a importância das marcas regionais que, no mercado nacional de massas, representam de 40% e 50% do faturamento, segundo a Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados (Abimapi). Com o aumento do consumo e a alta penetração nos lares, a categoria tem entrado no radar de outras empresas. A Santa Amália, por exemplo, que detém share de 41,5% em Minas Gerais e 7% no Brasil, foi a estratégia da Camil Alimentos para ingressar no mercado de massas. "A chegada da Camil enriquece o setor de fabricantes de macarrão", destaca Claudio Zanão, presidente-executivo da Abimapi.

Custos Menores em Logística

A proximidade da distribuição é um dos fatores que permitem o menor preço do macarrão. Nesse sentido, as marcas regionais contribuem para o aumento do consumo das massas em todas as localidades, afirma Zanão. "O macarrão não aguenta um frete muito alto, senão, o transporte se torna mais caro que o próprio produto. As marcas menores atingem determinadas regiões e oferecem melhores preços aos consumidores." De acordo com o presidente-executivo, dentre as maiores empresas do setor, que têm distribuição em todo o país, três ou quatro eram regionais no início de sua atuação. 

Fonte: Giro News | Postado em: 24/08/2021