19JUL

Margens de lucro apertadas



O preço do trigo no Brasil disparou 130% entre janeiro de 2020 e abril de 2022, segundo dados da consultoria MLB. A alta da commodity, que é base para produtos como biscoitos, massas, pães e bolos, tem feito a indústria adaptar as suas estratégias, na tentativa de diminuir o preço final ao consumidor. "Procuramos não repassar os aumentos que temos recebido, porque repassar preço significa perda de volume. Então, a indústria vem repassando custos de produção em conta-gotas, o mais baixo possível, já que o bolso do trabalhador continua estável e não tem amplitude nenhuma. Qualquer aumento maior, ficamos sem consumo dos nossos produtos", afirma Claudio Zanão, presidente executivo da Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados (Abimapi), em entrevista exclusiva ao Jornal Giro News.

Readequação de Embalagens
  Segundo o dirigente, a indústria está tentando inovar, para garantir alguma margem de lucro, principalmente através de novas possibilidades em embalagens. Na categoria de biscoito, por exemplo, é liberada a adoção de diferentes tamanhos de pacotes pelas empresas. Já o macarrão tem suas gramaturas tabeladas no mercado. "As margens estão apertadas, tanto da indústria, quanto do varejo. O que todos querem é fazer os produtos girarem", analisa Zanão. Os produtos mais impactados pela alta são pão e macarrão, que têm quase 70% de trigo em sua formulação. Já o biscoito, com cerca de 30% a 40%, sofre menos. Em 2020, as quatro categorias cobertas pela Abimapi cresceram em volume, amparadas no Auxílio Emergencial. Já em 2021, houve queda de volume, mas equilíbrio em relação a 2019 - ano pré-pandemia. "2022 deve ser um 'repeteco' do ano passado. Se conseguirmos gerar mais 1% em volume, está ótimo, perto da situação geral."

Conjuntura Global
  O Brasil importa, em média, metade (de 6 a 8 milhões de toneladas) do trigo que consome (12,4 milhões de toneladas). "A guerra entre Rússia e Ucrânia tem que acabar logo por razões humanitárias, mas também porque, no mercado econômico, elas são responsáveis por um terço da exportação mundial de trigo. Em tempos normais, esse volume não nos afeta. Mas, se continuar a guerra por mais tempo, provavelmente poderá 'desequacionar' o mercado mundial de trigo." Apesar do cenário, Zanão destaca que não haverá falta da commodity. Em maio, o governo federal anunciou a redução de 10% nas alíquotas do Imposto de Importação sobre 6.195 produtos, incluindo massas e biscoitos, até dezembro de 2023. Contudo, na visão do presidente, a medida não contribui para o mercado nacional. "Achamos um absurdo o governo promover a importação, quanto temos ociosidade de fábricas. O que deveria fazer é aumentar o consumo interno e incentivar a indústria brasileira, não a indústria de terceiros e a importação de produtos", conclui.

Texto: Bruna Soares

Fonte: Giro News | Postado em: 19/07/2022